E esse calor??

08.10.2020
Nos últimos dias, várias regiões do Brasil vêm enfrentando um calor extremo, com recordes históricos de temperatura para esta época do ano. Diversas cidades estão marcando suas temperaturas mais altas desde que os registros se iniciaram, e aqui no Norte do Paraná não é diferente: de acordo com o Simepar, Londrina, Maringá e Loanda bateram seus recordes de temperatura na tarde deste dia 6 de outubro de 2020, com temperaturas acima dos 40ºC. E isso, para um mero início de primavera.
Esse calorão todo nos faz observar com mais atenção as soluções que normalmente adotamos em nossas edificações para tentar amenizar esta situação. Em geral, janelas e aberturas surtem pouco efeito, já que o vento (quando vem) é extremamente quente; assim, a maioria de nós (quando podemos) acaba apelando ao bom e velho ar-condicionado. Mas até que ponto ele está resolvendo de verdade?
Além de aumentar significativamente o consumo de eletricidade — pense só na conta de energia no fim deste mês... —, muitas das nossas instalações simplesmente não foram preparadas para trabalhar em situações tão extremas, e acabam não oferecendo o resultado de conforto que esperávamos. Obviamente, para situações extremas, não é razoável esperar por soluções convencionais... Mas e se essa situação se prolongar, ou pior, se apresentar com maior frequência? Diversos especialistas e estudiosos vêm apontando para o cenário de grandes mudanças climáticas, e bem... não é preciso muito esforço de memória para perceber que sim, estamos enfrentando cada vez com maior frequências as tais "situações atípicas", de forma que elas já não estão mais assim, tão atípicas.
Diante destas constatações, o que podemos fazer? Estaremos mesmo condenados a consumir cada vez mais energia, tentando nos abrigar dessas situações extremamente desconfortáveis com a utilização de aparelhos cada vez mais potentes e caros?
E agora, talvez, seja o momento de citar um outro fator que estamos vivendo: a pandemia do novo coronavírus. Se o calor por si só já traz desconforto e riscos à saúde (desde problemas respiratórios por conta do ar seco e poluído até o risco de morte por hipertermia), a circulação livre do vírus em nossa sociedade impõe um risco adicional por conta da má ventilação que decorre do uso prolongado (e muitas vezes equivocado) do ar-condicionado. Testes informais que realizamos recentemente indicam que para ambientes comuns de escritório, o uso do ar-condicionado individual (tipo split) reduz significativamente a renovação do ar interno, o que pode levar ao acúmulo de vírus no ar a níveis perigosos, no caso de haver alguém contaminado no ambiente (ainda que em sua forma assintomática ou pré-sintomática).
Com a pandemia, ficou mais claro que as soluções "mais fáceis" que empregamos em nossos ambientes — aquelas de "fechar tudo e encher de ar-condicionado" — simplesmente não colaboram para a nossa saúde, podendo inclusive trazer uma série de riscos. É algo muito comum em nosso comportamento: encontramos uma solução paliativa, de momento, sem nos atentarmos para as consequências delas no médio e longo prazos...
Assim, entendemos ser a hora de pensarmos com mais atenção na arquitetura de que precisamos para estes tempos em mutação. Pensar no edifício de forma integral, considerando essas situações extremas que estão se tornando mais frequentes, torna-se uma ferramenta indispensável para obter resultados otimizados, que tragam melhor qualidade de vida, com menor consumo de recursos — tanto naturais quanto financeiros — no longo prazo. Uma consultoria em conforto ambiental e eficiência energética ainda na etapa de projeto ou construção deve ser algo a se considerar com alguma atenção, já que ela articula os diversos elementos envolvidos de forma a reduzir o dispêndio nas soluções "paliativas". Para ambientes já instalados, também vale a reflexão, pois com algumas adaptações arquitetônicas (que às vezes envolvem investimentos relativamente baixos) podem-se obter melhorias significativas em determinadas situações.
Fica, assim, o nosso convite a conhecer a Otimax e as possibilidades de soluções que oferecemos.