Conforto Ambiental em Edificações

10.05.2020

O desenvolvimento de um bom projeto arquitetônico baseia-se na soma e equilíbrio das variáveis estética (venustas), estrutural (firmitas) e funcional (utilitas). Isso indica que a arquitetura deve atender às demandas dos usuários do ambiente projetado, considerando as necessidades de qualidade ambiental para lhes proporcionar conforto.

O conforto ambiental pode ser definido como “um conjunto de condições ambientais que permitem ao ser humano sentir bem estar térmico, visual, acústico e antropométrico”[1]. Uma pessoa sente-se confortável em um ambiente quando suas expectativas são atendidas e ela é capaz de desempenhar suas tarefas naquele local mantendo a sensação de neutralidade térmica, sem esforço visual e sem o incômodo de ruídos. Dessa forma, o conforto ambiental constitui-se por três principais vertentes: térmico, visual (ou lumínico) e acústico.

 

Abrigo e conforto

A importância do conforto ambiental torna-se ainda mais latente quando se verifica que as pessoas passam cerca de 90% do seu tempo em lugares fechados. Ambientes desconfortáveis estão associados a uma série de consequências negativas para seus usuários, tais como dificuldade de concentração, baixa produtividade, stress, dor de cabeça, irritabilidade. Em contrapartida, ambientes confortáveis são responsáveis por favorecer o equilíbrio fisiológico, hormonal e químico, proporcionar relaxamento, melhorar a disposição, produtividade e aprendizado.

Um ambiente desequilibrado gera desconforto e afeta a concentração e a saúdePara alcançar esse resultado sem a necessidade de elevado consumo de energia com equipamentos (como condicionadores de ar, ventiladores, aquecedores, lâmpadas, etc.) é necessário um projeto arquitetônico adequado às condições do clima e do local de sua implantação. Chama-se de “projeto bioclimático” aquele que adota estratégias para aproveitar as características positivas do clima e evitar as características negativas.

O projeto bioclimático tira partido de estratégias passivas de condicionamento, entendidas como a construção e organização de edifícios de forma que suas propriedades e de seus componentes proporcionem diretamente a criação de ambientes agradáveis e estáveis climaticamente, evitando ou diminuindo a necessidade de equipamentos elétricos para esse fim.

Um ambiente equilibrado proporciona saúde, concentração e produtividade

Um projeto adequado deve ser desenvolvido desde o começo, dos primeiros estudos, levando em consideração essas estratégias passivas. Isso agiliza o desenvolvimento do projeto, evitando o excesso de alterações nas etapas finais. Também minimiza futuras necessidades de reformas para readequar ambientes que desagradam os clientes pelo desconforto.

Os projetos desenvolvidos pela Otimax adotam estratégias bioclimáticas, promovendo conforto para os usuários com eficiência energética. A Otimax oferece também serviços de consultoria para projetistas, arquitetos e engenheiros.

 

[1] LAMBERTS et al. Eficiência Energética na arquitetura. Florianópolis, 2014.